terça-feira, 11 de agosto de 2009

Quando os oceanos dormem











Sentindo o perfume alucinógeno da maresia
Duas essências em sublime elevação
Não suportam mais os encantos e anestesia
Da paixão que ascende a chama do coração

Oceanos que dormem em sonhos borbulhantes
Sobre as águas cristalinas dos desejos alados
Não sobrevivem separados pelas ondas espumantes
Do tempo que muda o destino dos seres apaixonados

Silentes oceanos sob os céus das noites quentes
Seres apaixonados pelos mares infinitos da sedução
Acariciando a face rubra dos corpos ardentes
Na certeza infinita do prazer que sela a união

Suas marés transbordam nos oásis dos desertos do verão
Em delírios revelados nos portais da mulher e do homem
Libertando os corações alados pelo céu da sua imensidão
Imensurável é a saudade, quando os oceanos dormem...


*publicado em maio/2008 - CBJE - Rio de Janeiro

3 comentários:

  1. Eu adorei... Ritmo e pauta, sentido e distinção...
    Desculpe-me se pareço intrometido... Mas, achei muito legal...

    ResponderExcluir
  2. MINHA HOMENAGEM

    MOR

    Desta mente ao teclado
    Surgem as belas idéias.
    Da caneta o passado
    As velocidades médias.

    Sua mente criativa
    Exprime toda esta beleza.
    Com toda a assertiva
    Disto tenho toda certeza.

    Do encanto da poesia
    Jorra por todo o canto.
    Com a mais bela magia
    Tudo torna um encanto.

    São José/SC, 16 de novembro de 2009.
    mosnyoiram@mail.com
    www.mario.poetasadvogados.com.br
    www.poetasadvogados.com.br

    ResponderExcluir
  3. Helen gostei muito de vc, Voçe foi a unica ate agora q me entende, ha e gostei muitos das suas frases, de vez em quando eu dou a doida aqui e faço umas tambem, quem sabe vc nao queira umas? As pessoas tem muito preconceito quando se refere a góticos, mas q se dane o resto

    ResponderExcluir

Agradeço sua atenção.
Bastante proteção em seus caminhos.
Sucesso sempre.
Helen De Rose

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...