sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Quando nasce um escritor










A busca pela comunicação e expressão das idéias surgiram lá na pré-história. Quando os primitivos desenhavam nas paredes das cavernas.
Veja como eles já tinham essa necessidade de dizer o que pensavam e sentiam o desejo de manifestar isso, para todos verem.
Com o passar do tempo, os escritores foram surgindo conforme sua vocação. Autores de obras literárias, científicas e de diversas formas de manifestação da escrita.
Muitos dizem que há uma necessidade de conhecimento específico nessa área. Mas, ainda vejo pessoas sem estudo nenhum, escrevendo textos ricos em sentimentos expressados, como acontece lá no nordeste, com os cordéis.
Essa noite tive um sonho, estava andando na praça de minha cidade, quando encontrei um senhor, com uma sacolinha de pano a tira-colo, com vários papéis na mão direita, oferecendo pra quem passasse.
Quando me aproximei dele, ele me ofereceu um pequeno papel com uma poesia, escrita por ele. Perguntei:
- O senhor gosta de escrever? Ele me respondeu:
- Sim senhora, foi o dom que Deus me deu. Eu escrevo desde pequeno, lá no Engenho de Pau d'Arco.Já sensibilizada pela imagem pura daquele senhor, perguntei:
- Quanto custa a sua poesia?Ele sorriu timidamente e disse:
- O que a senhora pagar está bom pra mim! Vai do valor que a senhora dá ao escritor e a poesia feita por ele.Quando lhe dei o dinheiro ele assustou:
- Minha senhora isso não é um livro, é apenas um pedaço de papel. Olha, pegue, leve mais poesias, pelo valor que está me dando, tem que levar mais. Eu respondi:
- Vou levar apenas um, pois esse é o valor que estou dando ao dom que Deus lhe deu, os outros ficam com o senhor. Talvez o senhor encontre mais pessoas que gostam de poesia.
Ele ficou tão emocionado. Abriu sua sacolinha de pano, tirou um lenço e, sentado no banco da praça, enxugou suas lágrimas, que molhavam sua face cansada. Eu me aproximei dele e pedi licença para declamar sua poesia em voz alta:

Ecos d'Alma

Oh! madrugada de ilusões, santíssima,
Sombra perdida lá do meu Passado,
Vinde entornar a clâmide puríssima
Da luz que fulge no ideal sagrado!

Longe das tristes noutes tumulares
Quem me dera viver entre quimeras,
Por entre o resplandor das Primaveras
Oh! madrugada azul dos meus sonhares;

Mas quando vibrar a última balada
Da tarde e se calar a passarada
Na bruma sepulcral que o céu embaça,

Quem me dera morrer então risonho,
Fitando a nebulosa do meu Sonho
E a Via-Láctea da Ilusão que passa!

Assinado: Augusto dos Anjos.

Acordei com um nó na garganta, sentindo na alma, o quanto é indescritível ser um escritor, um dom que já nasce pulsando no coração, independente do tempo ou do espaço em que nos encontramos. Fiquei lembrando da imagem de Augusto dos Anjos, que só teve um livro publicado "EU", antes de morrer de pneumonia aos 30 anos. Um autor que ficou consagrado, não pela quantidade de livros da sua obra, mas pelo valor literário de cada verso que escreveu. De fato, ele nasceu escritor, nasceu poeta!

Helen De Rose


*Lançamento em 05/12/10 - Os melhores contos de 2010 - CBJE - Rio de Janeiro.


2 comentários:

  1. Estou com saudade de ti e vim desejar um fim semana belo e harmonioso, beijos !!!

    ResponderExcluir
  2. Quie mais hei-de dizer,você disse tudo...

    Beijinho e bom fim de semana.

    ResponderExcluir

Agradeço sua atenção.
Bastante proteção em seus caminhos.
Sucesso sempre.
Helen De Rose

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...