quarta-feira, 16 de junho de 2010

(Onde) As Rosas Crescem










Venha no presságio do anoitecer silente
No leito que jaz meus desejos lascivos
Trazendo teu perfume de unção ‘caliente‘
Perfumando a rosa com teu lume ativo

Eu sou a perdição dos lunáticos insanos
Prateando a mente com sonhos de horror
O desejo de te possuir como os humanos
Igual uma rosa na sepultura do amor

Meus espinhos beijam teu sangue carmim
Minhas pétalas cobrem o teu corpo assim
Intumescido por aromas que enlouquecem

No terral noturno do teu devaneio decorrente
Fertilizado na penumbra desta gruta presente
Nós amamos e morremos onde as rosas crescem!

Helen De Rose


*Publicado na Edição 2010 do Livro de Ouro da Poesia Brasileira Contemporânea - Lançamento em Julho / 2010. CBJE - Rio de Janeiro.

4 comentários:

  1. Helen De Rose, que poema lindo,voce transcendeu acima dentro das palavras poéticas com seus sentidos, meus cumprimentos,
    adorei estar aqui ,
    Efigenia Coutinho

    ResponderExcluir
  2. Instintos descritos de forma poeticamente magistral.

    Parabéns, Helen!

    Beijo carinhoso do amigo,

    Rudá

    ResponderExcluir
  3. nice blog. The poems might have more interest in the blog by the effort to do the translation
    who make a curious point. I like the picture in the title. Kisses from Greece.

    ResponderExcluir
  4. `Meus espinhos beijam teu sangue carmim
    Minhas pétalas cobrem o teu corpo assim`

    Bravo!

    Bravíssimo!

    Beijinho Helen!

    ResponderExcluir

Agradeço sua atenção.
Bastante proteção em seus caminhos.
Sucesso sempre.
Helen De Rose

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...