terça-feira, 6 de novembro de 2012

Nem sei de mim...



Não sei o que ainda pode acontecer

antes que tudo passe em minha vida
e os meus olhos consigam ainda ver
teus olhos fixos, antes da despedida

Eu te quero tanto que nem sei de mim,
esqueço até do chão que me alicerça
enquanto imagino meu perfume de jasmim,
unindo nossas volúpias numa só cabeça

Não sei o que virá depois de um dia,
sentindo tua presença no meu íntimo
e o meu corpo estremecer de alegria,
só de lembrar teu rosto, eu frimo

Eu te quero tanto que nem sei de mim,
lembro de cada palavra no meu ouvido,
mesmo que esta distância me deixe assim,
vulnerável na nudez de um prazer perdido


Helen De Rose

* Lançamento em 20/11/2012 - CBJE - Rio de Janeiro



5 comentários:

  1. "não sei de mim..", digo; sei de ti, poetisa, a escrever os mais belos poemas de amor.
    bj e meu abraço caRIOca
    José.

    ResponderExcluir
  2. Oi Helen, o poema tem esse mágico poder de tocar os sentimentos de quem o ler. E é assim que mim sinto, tocada por estas palavras.

    ResponderExcluir
  3. Cuando se ama y el amor se va, la sensación es la desnudez, como bien nos dices en tu poema.

    Un beso

    ResponderExcluir
  4. não tem como não se tornar sua seguidora, seus poemas são maravilhosos !!!felicidades...

    ResponderExcluir
  5. Lindos poemas, lindo Blog, parabéns! Um lindo domingo a ti!
    Beijos

    ResponderExcluir

Agradeço sua atenção.
Bastante proteção em seus caminhos.
Sucesso sempre.
Helen De Rose

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...