sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Melhor Poesia do Ano




Olá meus queridos, quero compartilhar uma alegria com vocês. 
O 1º Colegiado de Escritores Brasileiros, órgão executivo da Litteraria Academiae Lima Barreto, acaba de divulgar as relações dos autores selecionados para as Edições 2016 do Panorama Literário Brasileiro - As Melhores Poesias do ano.
Como ocorre todos os anos, o processo seletivo considerou obras inscritas nas Seletivas da CBJE, durante o ano editorial: de 31 de outubro de 2015 a 30 de setembro de 2016.
Meu poema foi escolhido:



Folha solta no ar
A inconsciência salta dum abismo lunar

transforma o ouro nas águas profundas do passado

e navega nos oceanos da dualidade da presente intuição.

Cada estação solar traz uma mensagem para decifrar

quando a consciência lúcida procura por um aprendizado

do crer ou não crer pelos caminhos da desmistificação.

As dúvidas são iguais veleiros navegando num mar

e o coração é uma folha solta no ar quando não está amarrado

pela Lei que rege toda a natureza e a sua justificação.

No silêncio, conseguimos ouvir o vento e a vela namorar

enquanto o veleiro roda o mundo sem ficar parado

buscando um significado inevitável para cada sensação.

Quando amarrado num porto, por suas escolhas sem pensar

o tempo se faz algoz do seu corpo e o olhar hipnotizado

misturando os sentimentos depois de uma transformação.

A ventania é um presságio alarmante do que pode chegar

e a destruição é uma prova para quem não foi aniquilado

na renúncia do que se tem para avançar na evolução.

Enquanto a noite vem, ainda há uma folha solta no ar

e, depois do amanhecer, ainda vejo um anjo alado

querendo navegar no vento onde o tempo vira um eão.

Os mergulhos na existência nos mostram como podemos avançar

em cada dimensão existente aqui ou do outro lado

conhecendo a nós mesmos e tudo o que permeia esta compreensão.


Helen De Rose - (poema selecionado na Antologia "Rimas de ventos e velas" em outubro/2015; poema do meu sexto livro "Antologias" lançado em setembro/2016).

Agradeço a oportunidade CBJE (Câmara Brasileira de Jovens Escritores) do Rio de Janeiro.

Site: http://camarabrasileira.com.br/

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Convite do Lançamento do meu Sexto Livro


A Autora Helen De Rose tem o prazer de a (o) convidar para a Noite de Autógrafos do Lançamento do seu sexto livro "Antologias", 115 Poemas Selecionados. 

No dia 17 de setembro de 2016, 
às 18:01 horas, 
na Real Café & Bistrô, 
Avenida Dr. Afonso Vergueiro 2800, 
Sorocaba/SP. 


Apresentação

Um dos aprendizados mais importantes da minha vida até aqui, é a persistência em realizar um sonho, permanecer com a mesma disposição de espírito, no mesmo desejo, perseverando com uma insistência inquebrantável na convicção de conseguir uma intenção, mesmo que situações diárias tentam dizer: - Não.

Desde 2008, eu comecei a enviar meus poemas e outros textos para as seleções de Antologias. Hoje, já são mais de cento e cinquenta textos selecionados em centenas de livros, dividindo com outros autores esta arte literária.

Neste livro, eu escolhi cento e quinze poemas selecionados no período de 2008 até 20015, para que os leitores sintam o quanto é realizador ser pertinaz, ter uma vontade firme de poder realizar um sonho de infância.

Todos os versos deste livro são inspirações de momentos, sonhos, pensamentos, mensagens que chegaram até minha mente, através das percepções físicas, emocionais e espirituais que permeiam minha existência nesta jornada.

Desejo firmemente que ao ler cada poema, penetre numa viagem vibrante da escrita, em manifestações que a alma resume em cada palavra nascida nos segundos pulsantes do meu coração.

Do meu coração para o seu coração.


Helen De Rose

sábado, 20 de agosto de 2016

Um coração no oceano, no Clube de Autores


Estou disponibilizando mais um livro no Clube de Autores. Agora ficou mais fácil de adquirir. Indique para seus amigos e amigas. Clique no título a seguir:

Um coração no oceano é uma coletânea de poesias, poemas, prosas, pensamentos e mensagens.

"(...) Helen De Rose nos brinda com um livro que não se propõe a nos incutir o tosco relativismo, muito comum nos dias de hoje, em análises sobre a transmutação das facetas humanas, pelo contrário, sua obra nos incita a caminhar conscientemente pelos meandros da intersubjetividade. Desejo ao caro leitor uma proveitosa leitura, sinta na alma o quanto estamos mergulhados num mar fantástico de emoções, aqui tão bem descrito em 'Um coração no oceano'. (...)" por Ronaldo Honorio.

"(...) Helen é uma poetisa que tinge as folhas brancas da vida com potencialidade, com romantismo, com seriedade. Uma guerreira da palavra, assim como é em sua vida de luta pelo bem dos seus entes. Em especial, Marina, seu anjo na Terra. Essa é a maior e mais digna missão de uma mulher, mãe e escritora. Sábio o leitor que adentrar ao mundo de Helen de Rose e seus versos caminhando aos corações nos oceanos da vida! (...)" por Ledalge.


Agradeço sua leitura.

Helen De Rose.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A Lua azul do Norte sagrado


O Sol nasce sob o signo de escorpião
Na ‘terra negra’, na ‘terra do Norte’
Iluminando as margens do Rio Nilo
Alimentando os lírios azuis egípcios
Exalando suas fragrâncias sagradas
Lembrando o aroma do cabelo de Isis
Deusa do amor e dos rituais sobre asas
Dos matizes dos azuis do seu amado Osíris
Das treze partes do seu corpo encontrado
Mumificado pela magia de Anúbis
Chamado por encantamentos purificados
Para retornar vivo das sombras da morte

O dia já se faz tarde no horizonte do Egito
E o pôr do Sol abre passagem para a noite
O céu traz com ele a luz da noite, a Lua grávida
Com os olhos do seu filho amado Hórus
Protegido pelo falcão da ressurreição
Enquanto que os azuis dos lírios do Rio Nilo
Tingem de azul a Lua cheia sagrada do Egito
Lembrando por todos os séculos futuros
O ritual de passagem do povo egípcio
Do nascimento dos mistérios e magias
Berço secreto do esoterismo iniciático

A noite se deita no reflexo do Rio Nilo
Enfeitando as águas com o brilho das estrelas
Formando um lençol de contas brilhantes
Enquanto a Lua azul descansa no seu leito
Presenciando tudo o que está em cima
Sacramentando tudo que está em baixo
Pirâmides, Esfinges, Sarcófagos, Luxor
Eternizando uma civilização e suas Dinastias
Todos os segredos que ali ainda sobrevivem
Por quanto tempo durar esta misteriosa magia
Nos oráculos secretos da natureza universal

Helen De Rose




terça-feira, 12 de julho de 2016

Ausência (entre parênteses)



Deitada nesta linha pulsante da vida,
eu entrego meu corpo cansado,
com todas as minhas lutas em vão,
alimentadas pela ilusão de um sonho,
que um dia vi acontecer nos teus olhos.
(Uma luz nos envolveu rapidamente,
enquanto o amor sorriu para nós,
transformando nossa vida numa só.)

Deitada nesta linha pulsante do amor,
eu entrego meu espírito magoado,
com todos os sentimentos do meu coração,
silenciado pela minha visão marejada,
que um dia vi sair da tua emoção.
(Um sentimento único, sem explicação,
em cada gesto, ao som da nossa respiração,
no descanso do êxtase do nosso amor.)

Nesta ausência de mim mesma,
a noite ficará mais serena com a presença da Lua,
e o dia mais iluminado com cada nascer do Sol.
Eu estarei entregue na paz de não ter nada,
nem aqui ou em qualquer outro lugar.
(Afinal, os parênteses podem ser retirados
sem alterar o sentido da sua vida, sendo 
dispensáveis, apenas um acessório ínfimo.)

Helen De Rose

*Lançamento em 20/06/16  - CBJE - Rio de Janeiro.


quinta-feira, 23 de junho de 2016

Insurreição!


Um anjo nasceu da tua nuca
e, encantado, ouvia o timbre da tua voz.
Era um canto que sublevava
pelos quatro cantos da Terra.
Momentos em que o coração
parecia sair para fora da boca.
Sentimentos tresmalhados,
quando a ira resumia tua presença.
Veemência! Consequência! Urgência! Insurgência!

Não há mais como voltar atrás,
o que está feito, está feito.
Chegou o momento de reagir,
de acordo com o instinto insubmergível.
Diante das insanas tempestades,
sobrevivem sobre o sangue derramado.
O luto na bandeira, o fogo no símbolo
são as manifestações das almas feridas.
Acção! Reacção! Libertação! Insurreição!

O Planeta canta a revolta
herdada por quem já morreu.
Não há como escapar da fúria
renascida na mente humana.
O poder está em desvantagem
diante de milhões de mãos dadas.
Ninguém poderá calar a voz
que acorda o anjo no céu.
Direto! Intelecto! Circunspecto! Insurrecto!

Helen De Rose

*Lançamento em 20/06/2016 - Rio de Janeiro - CBJE.


domingo, 5 de junho de 2016

O pó que sai da minha mão

Kate Bush

Um sentimento sem mim

Uma falta de ser assim

Sem pesos e medidas

Sem significado e porquês

Palavras interrompidas 

Sou apenas silêncio

Em meio as minhas dúvidas

Nem sei se vou ou se fico

Sou uma metamorfose ambulante

Uma mutante em sensações 

Uma alienígena hermafrodita

Dos meus recônditos espaços

Das minhas inquietações constantes

Reconhecendo a alma alheia

Com todos os seus subterfúgios

Interesses secretos e dissimulações

Intolerância me invade

Pela desonestidade

Daqueles que se acham espertos

Nem sabem eles

Que por mim são enterrados

Nas profundezas dos patifes

Insanos desalmados

Em pele de cordeiro

Lobos sedentos de poder

Sua sentença já está feita

Pela lei do Universo

Das minhas mãos

Só saem o pó

Das sobras do seu ser


Helen De Rose

*Lançamento em 20/05/16 - CBJE - Rio de Janeiro


quinta-feira, 19 de maio de 2016

Meu Livro: Em algum lugar no tempo e no espaço...


Boa tarde,

Estou disponibilizando meu quinto livro no Clube de Autores. 

Este livro só estará disponível neste endereço por ter conteúdo adulto, clique no link:


É um livro de contos eróticos, de amor e poemas sensuais. São inspirações tiradas de outras pessoas, personagens comuns da vida cotidiana, fetiches que surgem rapidamente conforme as vivências e experiências vão se apresentando em minha percepção.

Introdução 

Os contos eróticos, que eu escrevo, surgem em minha mente duma forma bem particular. São inspirações tiradas de outras pessoas, personagens comuns da vida cotidiana, fetiches que surgem rapidamente conforme as vivências e experiências vão se apresentando em minha percepção. Não tenho compromisso com o que os outros vão pensar e/ou concluir, porque as palavras vão surgindo rapidamente e eu vou passando para a escrita. Somente não desejo que me coloquem no meio deles, como se eu fosse uma personagem em questão. Eu apenas escrevo o que tenho vontade de escrever, sem intenções ou desejos intrínsecos, porque se tratam de personagens criados que não dependem de convenções. 

O inusitado pode acontecer com as imagens que vão surgindo em minha mente, transformando-se em palavras que narram de forma simples e clara, utilizadas em momentos íntimos, com o envolvimento intenso entre os personagens. Deixo fluir o palavreado, isto não me causa nenhum tipo de pudor, porque as palavras escritas são instrumentos que necessitamos para dar forma ao que se tem como objetivo. O que é chocante para alguns, pode ser inteiramente prazeroso para outros. Cada um sabe do seu íntimo, dos seus pensamentos e imaginações, mesmo que não exponha aos demais. Este livro é apenas um punhado de inspirações que foram chegando a minha mente, passadas para a escrita e colocadas aqui para todos lerem e, talvez, identificarem-se. Já ouvi dizer que o autor liberta de si suas inspirações quando transfere para os olhos dos leitores o que se transformaram em escrita. Uns chamam isso de viagem, outros chamam de libertação e, eu, na minha visão, chamo de contemplação. 

Antes de começar a ler estes contos eróticos, de amor e humor, dispa-se de todos os conceitos e rótulos que introduziram em sua mente. Este é o meu conselho para esta leitura. Talvez, desta forma, sua viagem será mais intensa e com muitas vivências contemplativas! 

Aproveite a liberdade dos seus pensamentos e uma ótima leitura. 

Helen De Rose.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Quando meu sorriso encontra sua timidez



Seu corpo fala diante de mim
nem preciso ler seus lábios
só preciso olhar nos seus olhos
e nas expressões que saem 
espontaneamente 
do seu jeito de ser

Quando meu sorriso encontra sua timidez

Meu corpo estremece até o fim
e apenas uma palavra que me diz
parece encontrar o caminho
mais próximo da minha emoção
intensamente
entregue diante dos seus olhos

Quando meu sorriso encontra sua timidez

Nossas almas se reconhecem
dos tempos do passado, presente
e aguardam os nossos amanhãs
com a certeza de nos encontrarmos
eternamente
por onde nossos sorrisos nos levarem

Quando meu sorriso encontra sua timidez
eu sinto que já somos nossos.


Helen De Rose


*Lançamento em 20/05/2016 - CBJE - Rio de Janeiro.


quinta-feira, 14 de abril de 2016

Gostosos profiteroles





Nos meus seios, tua alma.
Sou a fonte agridoce da sede
dos teus secretos desejos. 
Enquanto teus lábios enriquecem
o sabor deste vinho frutado,
tu beijas os meus e arrepia-me!
Tua língua intumesce meus mamilos
e meu ventre espera por tua saliva,
neste deleite íntimo dos nossos sabores.
Desejo ser bebida por ti em suaves goles,
nesta gruta onde o amor faz seu ninho.

No meio da tua calma, nosso êxtase.
Teu olhar me pede sem cessar
o sabor dos meus beijos molhados.
Teu abraço carinhoso me aquece
no calor do teu colo macio, 
enquanto teu cheiro me alicia
em querer muito mais essa volúpia.
Meus mamilos desenham teus lábios
e tu tentas abocanhar minha luxúria.
Sinto-me alimento dos teus prazeres.
Parecem gostosos profiteroles
misturados com os sabores do vinho.

Helen De Rose

*Lançamento 20/04/2016 - CBJE - Rio de Janeiro.


sexta-feira, 1 de abril de 2016

Ancoragem do amor


Navegam num mar de sonhos
penumbra de um desejo manso
criado-mudo solitário 
um abajur ilumina silhuetas
fumaça dum incenso aceso
dança sua essência no ar
enquanto mãos buscam 
um lenço de seda branca.
Olhos vendados, desejos de voar
para ser livre e sentir de perto
os toques do amor na face vendada
seguram as mãos, dedos entrelaçados
no silêncio da respiração.

Consegue ouvir?
Nau aporta no lençol
braços descansam no cais
os toques do amor
abrem os botões da blusa
desnudam os seios
ventre todo arrepiado
serpenteia neste mar.
Noite traz a Lua
no horizonte namorar
unindo essa distância
num sonho navegar
sentem os toques do amor
deslizam nas ondulações da pele
num profundo íntimo morno
desejam ancorar.

Helen De Rose

*Lançamento em 20/04/2016 - CBJE - Rio de Janeiro.


segunda-feira, 7 de março de 2016

Sequestro de Amor


Um dia que poderia ter sido e não existiu...
Esperei por cada instante que me foi retirado 
e os beijos que não dei em ti,
ficaram guardados nos meus sonhos . 
Aquele dia parecia tão perfeito antes 
mas, depois tudo ficou ainda mais vazio 
por não ter acontecido absolutamente nada. 
De repente, quando percebi o tempo desta saudade, 
vi que já não tinha tempo para mais nada. 
Onde está quem sequestrou meu amor? 
Não penses que vou pagar o resgate 
para ver tudo o que já vivenciamos no passado. 
Talvez o último dia já tenha acontecido 
e só agora me dei conta que não resta mais nada 
e que tudo não passou de um grande engano. 
Será que, ficar alimentando esperanças 
por um dia que nunca chega, é a saída? 
Os meus sentimentos tiram de mim 
qualquer alternativa sensata de decidir, 
parece que não consigo chegar ao fim. 
Mas, tu insistes em dizer que voltas um dia, 
qualquer dia que estejas livre para libertar 
o amor que um dia sequestraste de mim.

Helen De Rose

*Lançamento 20/03/16 - CBJE - Rio de Janeiro.




sexta-feira, 4 de março de 2016

Da Minha Estupidez

Uma pausa na mente faz cegar minha visão. A delicadeza foge com o sentimento pelos poros do tato. Um grito assusta o pulsar do meu coração. Minha estupidez amarga meu paladar no ato. Meu alvo acerta as barreiras dos ouvidos. Numa desagradável constatação de aborrecimento. Há pessoas que me irritam com pensamentos estúpidos. Com preguiça de buscar resposta no conhecimento. Instante desagradável que não tem razão de ser. Do que adianta ficar brava e sofrer um desgaste. Com pessoas que não desejam crescer. Preferem viver no seu velho mundinho traste. Fico nos cascos com minha boca grosseira. Sem paciência com minha inteligência. Não permito que me enganem desta maneira. Quero ficar em paz com minha consciência.

Helen De Rose. 

*Do meu livro Uivam as Lobas . CBJE - Rio de Janeiro.


terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Imaginações


Ele queria ser essa rosa vermelha
Perfumando esses desejos e sensações
Sobre a pele morna e macia escondida
Entre contornos percorridos por visões

Ele queria ser essa rosa vermelha
Guardando o sabor dessa fruta agridoce
Sobre os lábios, com água na boca
Mesmo que sua língua não fosse

Ele queria ser essa rosa vermelha
Inspirando sua louca imaginação
Sobre as nuances de cada detalhe
No ritmo intenso da sua pulsação

Ele queria ser essa rosa vermelha
No corpo entregue, um segundo apenas
Para sentir o que a flor úmida sentiu
Na saudade de todas as sensações em cenas

Ele queria viver essas imaginações...

Helen De Rose

*Lançamento em 20/03/2016 - CBJE - Rio de Janeiro.



quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Uma chama se faz presente


Uma chama se faz presente
Na brasa que queima escondida
Entre outras com o fogo ausente
A brasa encoberta parece esquecida

No íntimo da chama ela sente
O desejo secreto da alma querida
Uma chama se faz presente
Na brasa que queima escondida

No íntimo da brasa ardente
O calor queimando a pele aquecida
A brasa em chama a luz acende
O coração inflama o corpo na despedida
Uma chama se faz presente

Helen De Rose


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...