O abismo da alma



O coração da noite pulsa sua dança
no movimento fúnebre da Lua cheia
de encontro com a cruz da esperança
deixando sua sombra na relva fria

O abismo da alma é um lobo perdido
na floresta dos olhos onde o ego-abismo
vasculha a nascente secreta do fluído
farejando os rastros deixados pelo egoismo

Sua natureza sente e olha para cima
lá no alto sua vaidade cai numa cilada
tenta pegar uma rosa e se aproxima
um passo em falso e tudo vira nada

Uma imagem aparece na úmida margem
do rio da saudade tão esquecido
sua sede é um segundo de miragem
no frio das brumas dum sonho contido

A neve congela seus ossos quebrados
na queda trágica das suas escolhas
que agora se rastejam com seus pecados
nos restos e detritos das pequenas folhas


Helen De Rose


*Antologia lançada em 20/06/2013 - CBJE - Rio de Janeiro



Comentários

  1. O abismo da alma é um belímo poema, que muito
    me agradou.
    Desejo que esteja bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradeço sua atenção.
Bastante proteção em seus caminhos.
Sucesso sempre.
Helen De Rose